Gente, agora vou falar sério, tá?
Regra básica número um numa disputa – de qualquer natureza, política inclusive: jamais subestime seu antagonista. Não ache seu antagonista burro, ou incapaz, ou incompetente, ou qualquer coisa desse tipo. Porque ele pode te surpreender com a inteligência dele, e você não vai ter mais tempo pra reação. Taí o sapo barbudo, o… como é que é mesmo aquela express… apedeuta! apedeuta! Taí o “apedeuta” no poder há oito anos, deixando a oposição perdidinha, dinha, dinha de marré-deci.
A Dilma é, de fato, uma candidata fraca. Mas burra ela não é. Explico.
Se estivesse patinando nas pesquisas de avaliação de governo, Lizinacio não ousaria: teria batido o pé a favor de alguém mais forte politicamente, como Ciro Gomes por exemplo. Mas não. O filho de dona Lindu tá nadando de braçada, sem problema nenhum. Deu-se ao luxo de lançar um candidato “mais ou menos” do ponto de vista político – mas não do ponto de vista administrativo. Dilma é um trator administrativo. Lula sabe que com o governo nas mãos dela, todos os destaques de seu plano de governo estão garantidos. a tradução da continuidade. Sem inovação, sem ousadia, apenas continuidade.
Dilma é fraca? Politicamente, pode ser. Ela não tem muito traquejo em negociações. Mas ela é exímia administradora. Sabe na ponta da língua e na ponta do lápis de cada ato, cada ação do governo. Isso a oposição tem o-bri-ga-ção de reconhecer. E burra, vamos todos combinar que ela não é. Chamar Dilma de burra é machismo, sim, senhor. Desdenhar e desfazer de uma mulher inteligente e administrativamente hábil é não ter noção do poder do antagonista.
Quando a oposição descobrir que deve considerar intelectualmente Dilma Roussef, talvez consiga tirar mais votos da candidata oficial de Lizinácio. A questão é: isso se dará a tempo de virar o jogo presidencial?
Não estou defendendo Dilma – pelo contrário. Se você souber ler linhas e entrelinhas, verá que eu estou fazendo uma crítica muito severa à candidata petista. e limito-me apenas a analisar seu perfil. Repito: ela é administrativamente forte, hábil e capaz. E politicamente fraca. Não é uma candidata topo de linha, portanto. Mas se você botar reparo nos antagonistas DELA vai perceber que ela tá de ótimo tamanho. Digam o que quiserem de Serra, elogiem ou critiquem ou crucifiquem, enfim, façam o que quiser. De Serra eu digo apenas o que o Ibope vem dizendo historicamente: ele mal vai chegar a 40% em âmbito nacional. Em outras palavras: diante de um antagonista sub-40, Dilma tá de ótimo tamanho.
Quer dizer: a oposição tá subdimensionando a capacidade intelectual de Dilma – e, por tabela, a capacidade de manejo político de Lizinácio. O marido de Marisa Letícia já descobriu certinho qual o tamanho da inteligência da oposição. Descobriu que Dilma cabe direitinho no despreparo e estupefação da oposição diante deste governo.
Você acha Lizinácio burro, ignorante, despreparado? Parabéns pra você. Na verdade, ele adora que você pense assim dele. Enquanto pensarem que ele é burro, ele surpreenderá a todos com sua perspicácia. A palavra perfeita para definir Lizinácio é essa: perspicácia.
Abstraia seus preconceitos, e considere-o um homem minimamente capaz de concatenar idéias e de contrapor e ultrapassar as adversidades, e você terá a real dimensão de sua mobilidade no xadrez da política nacional. Mais uma vez, ponto pra Lizinácio, o único enxadrista político da atualidade brasileira.
Enfim, como eu dizia lá em cima, não subestime seu antagonista, porque ele pode te surpreender. Sempre superestime o seu antagonista, que é pra você  não ser pego de surpresa e ter seus planos postos água abaixo. Em qualquer âmbito da vida. Político, inclusive.
(Me digam que Rodrigo Maia ou ACM Neto ou Sérgio Guerra têm plena visão política do cenário nacional e eu soltarei uma deliciosa gargalhada aqui diante de meu monitor.)
Anúncios