Archive for outubro \31\UTC 2010

Pra você morrer de inveja dos americanos

Não sou de me apegar a discursos. Mas este daqui me matou de inveja até o fundo da alma. Mas inveja, invejona, mesmo. Porque americano entende direitinho de democracia. Sabe quando é hora de brigar, pôr as garras de fora. Mas também sabe quando é hora de pegar o boné, enfiar o rabinho entre as pernas, reconhecer derrota e sair de campo.

John McCain deu uma aula magistral de como reconhecer a derrota com uma dignidade quase que assustadora.

Por isso eu copio aqui o discurso dele, e colo aí em cima o vídeo memorável.

Só pra que você pense bem e morra de inveja deles.

Porque essa dignidade infelizmente não é verde-amarela.

Vergonha dos nossos políticos.

E inveja negra dos americanos.

Mas, enfim, eis o discurso. Nas partes em destaque, a inveja n’alma juntou-se a um profundo arrepio que me percorreu toda a espinha:

Obrigado. Obrigado, meus amigos. Obrigado por virem aqui, nesta bela noite do Arizona.
Meus amigos, nós –nós chegamos ao fim de uma longa jornada. O povo americano falou, e falou claramente.
Há pouco, tive a honra de telefonar para o senador Barack Obama para parabenizá-lo.
Em uma disputa tão longa e difícil quanto foi a dessa campanha, o sucesso dele demanda meu respeito por sua habilidade e perseverança. Mas, que ele tenha obtido sucesso ao inspirar as esperanças de tantos milhões de americanos que acreditaram erroneamente que tinham pouco em jogo ou pouca influência na eleição de um presidente americano, é algo que admiro profundamente e o elogio por alcançar.
Esta é uma eleição histórica, e reconheço o significado especial que ela tem para os afro-americanos e para o orgulho todo especial, que deve ser deles nesta noite.
Sempre acreditei que os Estados Unidos oferecem oportunidades para todos os que são trabalhadores e que têm vontade de trabalhar. O senador Obama acredita nisso também.
Mas ambos reconhecemos que, embora tenhamos avançado muito desde as velhas injustiças que já mancharam a reputação de nosso país e negaram a alguns americanos as plenas benesses da cidadania americana, as lembranças delas ainda têm poder para machucar.
Um século atrás, o convite do presidente Theodore Roosevelt a Booker T. Washington para jantar na Casa Branca foi visto como um ultraje em muitos lugares.
A América está hoje a um mundo de distância do fanatismo cruel e apavorante daqueles tempos. Não há melhor prova disso do que a eleição de um afro-americano para a presidência dos Estados Unidos.
Que não haja razão agora para que qualquer americano deixe de celebrar sua cidadania nesta que é a maior nação da Terra.
O senador Obama alcançou um grande feito para si mesmo e para este país. Eu o aplaudo por isso, e ofereço a ele meus sinceros sentimentos, por sua avó não ter vivido para ver este dia. Embora nossa fé nos assegure que ela repousa na presença do Criador e está muito orgulhosa do bom homem que ela ajudou a criar.
O senador Obama e eu tivemos e discutimos sobre nossas diferenças, e ele prevaleceu. Sem dúvida muitas dessas diferenças permanecem.
Estes são tempos difíceis para o nosso país. E eu prometo a ele esta noite fazer tudo em meu poder para ajudá-lo a nos liderar através dos muitos desafios que vamos encarar.
Peço a todos os americanos que me apoiaram que se juntem a mim não apenas para parabenizá-lo, mas para oferecer ao nosso próximo presidente nossa boa vontade e nossos esforços mais honestos para encontrar modos de nos unirmos a fim de efetuarmos os compromissos necessários para superar nossas diferenças e ajudar a restaurar nossa prosperidade, defender nossa segurança em um mundo perigoso, e deixar para nossos filhos e netos um país melhor e mais forte do que o que herdamos.
Sejam quais forem nossas diferenças, somos todos americanos. E por favor acreditem em mim quando digo que nenhuma ligação jamais significou mais para mim do que essa.
É natural. É natural, nesta noite, sentir algum desapontamento. Mas amanhã teremos de seguir adiante e trabalhar em conjunto para colocar nosso país em movimento de novo.
Lutamos –lutamos tão duro quanto pudemos. E embora tenhamos chegado perto, a falha foi minha, não de vocês.
Estou tão profundamente grato a todos vocês pela grande honra do seu apoio e por tudo que vocês fizeram por mim. Eu gostaria que o resultado tivesse sido diferente, meus amigos.
A estrada foi difícil desde o começo, mas o seu apoio e amizade nunca se abalaram. Não poderia expressar de modo adequado o quanto estou profundamente em débito com vocês.
Estou especialmente grato a minha mulher, Cindy, a meus filhos, a minha querida mãe e a toda a minha família, e aos muitos velhos e caros amigos que ficaram ao meu lado através dos muitos altos e baixos desta longa campanha.
Eu sempre fui um homem de sorte, e muito mais ainda pelo amor e encorajamento que vocês me deram.
Vocês sabem, campanhas freqüentemente são mais duras para a família do candidato do que para o candidato, e isso foi verdadeiro nessa campanha.
Tudo que posso oferecer para compensar é meu amor e gratidão e a promessa de anos mais pacíficos à frente.
Também estou –também estou, é claro, muito grato à governadora Sarah Palin, uma das melhores companheiras de campanha que já vi, e uma voz nova e impressionante em nosso partido por reforma e pelos princípios que sempre foram nossa maior força, a seu marido Todd e a seus cinco lindos filhos por sua incansável dedicação à nossa causa, e à coragem e graça que mostraram nos percalços de uma campanha presidencial.
Podemos todos esperar com grande interesse por seus próximos serviços no Alasca, no Partido Republicano e em nosso país.
A todos os meus companheiros de campanha, de Rick Davis e Steve Schmidt e Mark Salter até o último voluntário que lutou dura e bravamente, mês após mês, no que às vezes pareceu a mais disputada campanha nos tempos modernos, muito obrigado. Uma eleição perdida nunca vai significar mais para mim do que o privilégio de sua fé e amizade.
Eu não sei –eu não sei o que mais eu poderia ter feito para tentar vencer essa eleição. Deixarei isso a outros para determinar. Todo candidato comete erros, e tenho certeza de que cometi minha parcela deles. Mas não vou gastar um minuto do futuro lamentando o que poderia ter sido.
Essa campanha foi e vai permanecer como a grande honra da minha vida, e meu coração está cheio de nada menos que gratidão pela experiência e pelo povo americano por me conceder uma oportunidade justa antes de decidir que o senador Obama e meu velho amigo, o senador Joe Biden, deveriam ter a honra de nos liderar pelos próximos quatro anos.
Eu não seria –eu não seria um americano digno desse nome se lamentasse um destino que me permitiu ter o privilégio extraordinário de servir a esse país por meio século.
Hoje, fui um candidato ao posto mais alto do país que amo tanto. E esta noite permaneço um servo. Isso é benção suficiente para qualquer um, e eu agradeço ao povo do Arizona por isso.
Esta noite –esta noite, mais do que em qualquer outra noite, tenho em meu coração nada mais que amor por esse país e por todos os seus cidadãos, tenham apoiado a mim ou ao senador Obama.
Desejo boa sorte ao homem que foi meu oponente e será meu presidente. E peço a todos os americanos, como fiz freqüentemente nesta campanha, que não se desesperem diante das atuais dificuldades, mas que acreditem, sempre, na promessa e na grandeza dos Estados Unidos, porque nada é inevitável aqui.
Americanos nunca desistem. Americanos nunca se rendem.
Nunca nos escondemos da história. Nós fazemos história.
Obrigado, e Deus os abençoe, e Deus abençoe os Estados Unidos. Obrigado a todos.
Agora, compare com o daí de baixo (#vergonhaalheia)
Anúncios

Bingo-debate

Meu Deus, por quê eu não pensei nisso antes?

Você está cansado de ficar ouvindo o mesmo lero-lero de cá e o mesmo biro-biro de lá durante os debates presidenciais?

Não aguenta mais a pasteurização das discussões entre os candidatos, preferia que eles saíssem logo no braço?

Quando os candidatos começam a falar você se pega pescando cochilos de tédio?

NÓS TEMOS A SOLUÇÃO!

BINGO-DEBATE

Um joguinho bem parecido com o business bingo!

Nós vamos fazer você prestar atenção redobrada ao debate desta noite!

Precisa nem imprimir. Basta anotar num broquinho de papel 15 das expressões a seguir, e ir riscando os temas/palavras à medida que eles forem citados/abordados. E acompanhe o debate com afinco! \o/ 😀

Porque, né? A gente já conhece a lenga-lenga que vai rolar esta noite.

Eis as expressões do Bingo-Debate:

ELA NÃO RESPONDEU À MINHA PERGUNTA

NÃO É NADA DISSO

DUAS CARAS

MUDA DE OPINIÃO

PETROBRÁS

PRIVATIZAÇÃO

PRÉ-SAL

OPERAÇÃO DE VARIZES

PRIVATIZAÇÃO

ERA DO ORELHÃO

TERGIVERSAR

ASSERTIVA

SAÚDE

SANEAMENTO BÁSICO

ERENICE

PAULO PRETO

CORRUPÇÃO (não vale copiar esta duas vezes, hein?)

CORREIOS

FILHO DE VERDUREIRO / MEU PAI FOI VERDUREIRO (Vale qualquer uma dessas)

PAPA

ABORTO

GUARDA NACIONAL

SEGURANÇA

DROGADOS

O GOVERNO ATUAL

O GOVERNO ANTERIOR

TROLOLÓ

PETISTA

O PT

ESTÁ SENDO INVESTIGADO

ROMBO

MILHÕES

ROUBO / ROUBAR

Veja os depoimentos de quem já jogou bingo-debate

(Atenção: o texto a seguir foi descaradamente copiado do link do business-bingo fornecido acima. Comigo é assim: kibada portuguesa! Eu copio, confesso  e cito a fonte!)

Minha capacidade de concentração aumentou muito desde que comecei a jogar o Bingo-debate”
Os debates da TV ou em qualquer outro lugar continuam não resolvendo nada. Mas pelo menos agora nós nos divertimos bastante.
Nunca antes na história deste país tinha se visto um método que faz as pessoas prestarem atenção em cada palavra que se fala num debate eleitoral
O clima do último debate com os presidenciáveis estava muito tenso, pois 14 pessoas já estavam prestes a preencher a quinta casa em dez minutos de jogo”
Senhor Candidato ficou completamente atônito quando ouviu oito pessoas gritarem ‘ Bingo ‘ ao mesmo tempo
É impressionante como os debates eleitorais têm tido rfecordes de audiência depois que adotamos o revolucionário sistema Bingo Debate….
O Bingo Debate é um achado! Desde que o implantamos, temos tido ainda mais assunto para nossas conversas nos botecos após o encontro eleitoral

A portinhola do fundo do poço da vergonha alheia foi aberta

Daí que a Conceição Oliveira, do blog Maria Frô, me cobrou um comentário para esta frase de Aécio

Eu poderia falar que Minas é um estado, o Brasil é um país com vinte e tantos estados, e que isso é falta de noção e tals.

Mas antes que eu pudesse conceber qualquer raciocínio mais elaborado do que “é a República do Pão de Queijo, da qual o Brasil é sub-sede”, José Serra, o Lucas Celebridade do PSDB (e Lucas Celebridade que me perdoe de usar seu célebre nome em vão) abre a boca e me solta esta aqui:

 

Não sei qual das três caras tá melhor nessa foto. Ponto pro UOL (não acredito que disse isso).

 

Daí eu pergunto: que importância tem a república das Minas Gerais diante de uma frase como essa daí de cima?

… e eis que José Serra inovou o conceito de Vergonha Alheia. Conseguiu superar o líder do PCO da Vergonha alheia, Lucas Celebridade.

Notinha:

Acho que você sabe quem é Lucas Celebridade.

Figurinha fácil (com duplo sentido) na blogosfera brasileira, seu objetivo é ser, como já indica seu apelido, uma Celebridade. Ele não beira o ridículo, porque nesse abismo já despencou de há muito. Vergonha alheia define o menino.

Não tenho nada contra Lucas tornar-se Celebridade. Pelo contrário, rezo muito para que isso aconteça. Até porque a alternativa é ele ser professor de português. Isso, sim, seria o fim do mundo.

Mas Lucas não faz mal a ninguém, não tá robano, não tá matano, só pede um pouco de sua atenção (ainda que para isso cegue o conceito de noção com seus ensaios sensuais). Tampouco tem planos para o pré-sal.

Enfim. Teamlucas.

Debate com Weslian ♥ e o… ah, aquele cara que vai vencer! \o/

de que importa o nome dele?

O importante é que vai ser tudo muito severamente! :o) \o/

Click Here

Dilma versus Serra

Texto do Sérgio Buchabick, postado originalmente no blog dele, o Dois Vezes um. Pra variar, genial. Por esse texto vocês entendem porque muitos ( o/ ) o chamam de Sérgio Tranqueira…

Dilma versus Serra

– Vou voltar na Dilma.

– Tem algum bom motivo para isso?

– O Serra é careca. Não sou a favor de presidentes carecas. Aliás, quanto mais cabelo melhor. Até minha vó sabe que o melhor presidente que tivemos no Brasil até hoje foi o Itamar, o qual, não bastasse uma esvoaçante cabeleira, ainda tirava onda de topete.

– Deixa ver se entendi. Você vai votar na Dilma porque o Serra é careca. Certo?

– Não só isso. Mas é que o outro motivo não sei se é politicamente válido.

– E esse do careca é?

– Não acabei de explanar sobre isso, mencionando presidentes anteriores, penteados e até minha vó?

– Sim.

– Pois então.

– Tá. E qual é o motivo politicamente inválido para votar na Dilma.

– Acho ela gostosa.

– Como é?

– Acho ela meio gostosa. Já o Serra, zero sex appeal.

– E você quer ter uma presidenta gostosa?

– Claro. Melhor do que ver o careca falando na TV regularmente. Ela é uma comuna boa. Já viu ela posando com as armas? Uma beleza.

– Você tá realmente falando sério que acha ela meio gostosa?

– Por que todo mundo pergunta isso?

– Você já falou isso para outras pessoas?

– Era para guardar segredo?

– Não. Claro que não.

– Ah, bom. Porque comentei por alto com minha namorada e com os pais dela.

– Deus!

– Eles falaram o mesmo. Na mesma sequência. Primeiro perguntaram se eu estava falando sério. Depois, disseram “Deus!”. Na sequência, ficaram medindo de alto a baixo minha namorada.

– Então você está falando sério, correto.

– Estou, cacete.

– Nesse caso, indico que vote no Serra.

– Mas eu já disse que não voto em careca.

– Eu sei. Mas se a Dilma perder, como toda boa candidata e ex-BBB e aspirante a fama, ela tem boas chances de sair na Playboy. Não seria melhor para você?

– Não curto a Playboy. As fotos são muito pudicas.

– São mesmo. Bom, se te consola, se ela perder por uma margem grande de votos, ela pode posar na Sexy. Prefere assim?

– Quanto menos votos, melhor?

– Quanto menos votos, melhor para você.

– Se ela tiver zero votos, estrela algum filme na Brasileirinhas?

– Hummm.

– Pô, um filme chamado “Dil-e-uma noites… de sexo” seria legal, né?

– “Roça roça na Roussef” seria mais.

– Mano, agora sim. Me convenceu. Vou votar no Serra. Mesmo porque, se ele perder, faz algo no Brasileirinhos, né? E acho que ninguém quer isso.

– Ninguém, não sei. O pessoal que faz títulos para filmes pornográficos deve estar torcendo para ele perder. Fazer trocadilho pornô com Serra é muito, muito mais fácil do que com Dilma.

– É mesmo?

– Uh. Além de nomes como “Serra serra na muchacha”, dá ainda para inventar coisas com careca.

– Argh.

– E com tucano. Tipo tucano erótico e daí para baixo.

– Tem espaço coisa daí para baixo?

– Rapaz, o poço da política e da pornografia é fundo. Muito fundo.

– Percebo.

Live blogging do debate Rede TV

UFC combate digo debate Rede TV

Clicaqui

Telemarketing do Serra, liga pra miiiiiiimmmm!!!!

Deve ter chocado alguns e irritado a muitos a notícia de que o telemarketing do Serra tá insistindo na história de que a Dilma é a favor do aborto. Isso não me choca em nada e me irrita pouquinha coisa. Mas só pelo fato de eu pensar que ele podia tá falano de pograma de governo, ele podia tá apresentano poprosta, ele podia tá comparano os governo, mas não, ele aproveita sua hora no ônibus pra falar mal dos outros.

Daí eu comecei a remexer a Cher (meu neurônio de estimação de chama Cher, é perua que nem ela, mas deixa isso prá lá) e pensei, cara, se eu recebo um telefonema desses, como seria o diálogo?

Porque, né? Se eles são espírito de porco, meu lado ectoplasma suíno grassa forte em minh’alma. E, se eles contam uma mentira torta, que não faz sentido algum numa mente de uma comunista notória de esquerda boa praça, eu posso contar uma teoria da conspiração tão genial (modéstia não é o meu forte, sorry) que, por não fazer sentido algum pra ninguém, é capaz de ser tomada como verdade absoluta na cabecinha de merda de gente capaz de mudar voto por causa de mentiras sobre aborto e tals.

Mas, voltando ao imaginário diálogo telefônico que eu travaria com o telemarketing do Serra, seria mais ou menos assim (claro, o futuro do gerúndio iria comer solto. Modo telemarketing, né?):

– Boa tarde, gostaria de estar sabendo se alguém na casa esteve votando na Marina.

– Eu votei, sim, zifia, em que posso estar lhe ajudando?

– Nós gostaríamos de estar lhe informando que José Serra é a melhor opção de voto no segundo turno, porque a Dilma é contra  a natureza, ela inclusive estaria sendo a favor de matar criancinha, porque ela é contra os preceitos de Deus, e defende o aborto, viu, senhora?

– Ó, zifia, eu num quero te decepcionar, não, mas acho que ssuncê tá mal informada. Sabe quem andou fazendo aborto na década de 1960?

– A Dilma, senhora?

– Claro que não, zifia! Foi a Mônica Serra! E a mando do José Serra, ainda por cima!

– Mas senhora, José Serra é um homem honrado que tem filhos…

– … que não são dele! Porque eu não sei se você sabe, mas eu sou prima da irmã da cunhada de uma das filhas do Serra, e soube que nenhum filho do Serra é legítimo! O Serra não pode ter filhos, e a mulher dele era louca pra ter filhos! Quando soube que tomou um chifre nazidéia, ele levou a mulher pessoalmente num carniceiro chique no úrtimo em Santiago do Chile, e mandou a mulher tirar o filho. Mas a família da Mônica é muito católica, e quando o sogro do Serra ficou sabendo do aborto, disse que ou a filha dele tinha um filho com outro homem ou ele, José Serra, seria um homem sem culhões. E, cá entre nós, depois desse diálogo, o Serra ainda levou a mulher pra fazer mais um aborto, daí o sogro dele capou ele e aí a Mônica teve os filhos. A Folha de SPaulo tem essa história prontinha, mas a Eliane Catanhêde não deixa ser publicada… por que você acha que ele não defendeu a mulher no debate da Bandeirantes?

– Mas, senhora, essa história não procede, porque…

– Zifia, eu tô te falando! Eu conheço o Serra pessoalmente! Conheço essa história não é de hoje! Eu convivo com a filha dele, tá pensando o quê? Eu a Veroniquinha somos tão íntimas que ela ia abrir a empresa em Miami comigo, mas a irmã do Dantas tinha mais grana do que eu, então ela preferiu uma sociedade mais sólida, sabe?

– Senhora, essa informação não procede, pois a informação que eu tenho é que…

– iiihhh… telemarketing proativo, né? Esquece essa bagaça que você tem nas mãos, zifia! Eu sei do que eu tô falando! E te digo uma coisa que ninguém sabe: a verdadeira função da Dilma Roussef no grupo terrorista do qual ela participava!

– Como assim, senhora?

(Pronto! Desarmei a pobrezinha e despertei interesse nela. Lá vem o bote:)

– A função da companheira Vânia era levar todos os companheiros à missa aos domingos! Porque eles eram de uma facção comunista defendida pelo Vaticano, e não poderiam se afastar dos insígnios de Deus, nem de Jesus! Ela jamais pgou em armas, sua função era distribuir ramos no Domingo de Ramos e ofertar a hóstia consagrada aos irmãos!

– Mas como a senhora sabe disso?

– Minha prima foi colega de faculdade da Paula Roussef, e me contou tudo! Tô te dizendo, zifia, a Dilma é carola de não perder uma missa desde que fez a primeira comunhão, e levou o presidente Lula à missa várias vezes! Você num tem idéia de como magoa nela essa história de aborteira e tals… pensa que é fácil ser a favor do milagre da vida e ser obrigada a ouvir essas baboseiras calada, é?

– Mas, senhora, ela defende o MST, que é um grupo que propagandeia a desordem no campo e…

– Ba-le-la! Tô te dizendo, isso é tudo ba-le-la! Sabe quem é o DONO do MST, mas DONO de mandar mais que Saddam Hussein no Iraque?

– Quem?

– José Serra.

– Não é possível, senhora!

– Mas claro que é possível! Naquela cabecinha sórdida de corno eunuco estéril, ele resolveu dominar o MST de forma bem macabra: ele manda o MST fazer bastante algazarra no campo, e daí ele vem com a Kátia Abreu e joga a culpa no Lula e no PT! Isso custa quatro milhões de reais por mês ao Serra, e o dinheiro vem do Preto! E o Serra tá puto com o Preto porque o Preto fugiu com a féria de maio, o Serra teve que tirar do próprio bolso o suborno do MST!

– Mas senhora, o MST defende a reforma agrária…

– …porque o Serra mandou! Na verdade, eles defendem o latifúndio, são uma ong favorável ao agribusiness. Mas o Serra manda eles se pintarem de comunistas, só pra difamar o PT!

– Mas que canalha filho de uma mãe!!!

– Veroniquinha que me confidenciou isso… tô te falando!

– Ai, que facínora! como é que um homem desses continua solto, Meu Deus?

– é, agora vamos falar de você: você vai continuar defendendo o voto pr’esse facínora falso, ou vai votar na Dilma, a Redentora de Jesus, como era conhecida entre a galera da VAR-Palmares?

-Senhora, eu…

– aperta o um, aperta o três, aperta o botãozinho verde e sijoga, zifia!

– Vou fazer isso, mesmo! Muito obrigada por me esclarecer, senhora!

– De nada, zifia, às ordens…

Porque não basta falar mentira. Tem que ter cara de pau. Muuuita.

E você, acreditou na historinha? Uai, passa óleo e acredita! 😀

(e porque trolar é de Deus…. 😉 )