Posts from the ‘workshop de oposição’ Category

Não me convidaram pra essa festa pobre (…)

Mas eu invado!

Daí que Lizinácio vai conceder hoje, às nove da matina, uma entrevista coletiva aos comunistas notórios blogueiros sujos blogueiros progressistas bando de marmanjo clube do bolinha enfim, a uns caras que não estão exatamente na lista de convidados de eventos sociais organizados por José Serra.

Eis que geral chiou, reclamou, espezinhou, fez pouco caso, tudo porque não foi convidado (pra essa festa pobre que os homens armaram pra me convencer…) pro convescote. Foi um tal de dizer que foi obra da panelinha, e que não tem mulher, ficou clube do bolinha, e só vai paulista, blablabla whiskas sache blablabla. Esqueceram-se de reparar que hello-o, o Cara vai falar com blogueiro! Não é rádio, não é TV, não é jornal, é BLOGUE! Blê-ó-bló, gue-u-é, blogue!

Eu que sou eu e estou na mesma cidade de Lizinácio inté tentei ir ao convescote, mas num rolou. Ainda bem que não vou pra essa coletiva, senão teria que acordar às seis da matina pra fazer depilação, maquiagem, escova, manicure… num tô com saco! (e aí? fui convincente?)

E a arquibancada, o que diz? Ah, vai ser entrevista chapa branca! Eles são pagos pelo governo pra escreverem a favor (eu quero também! Me digam comofas? Sei escrever contra e a favor de tudo! Defendo até José Serra se for necessário!) do governo, então as perguntas vão ser pianinho!

Digo só o seguinte:

1- Ainda que essa entrevista tenha sido negociada meses a fio, tem que rever esses critérios aí. Acho que até inscrição deveria ter rolado, algo mais Casa Branca way of life, sei lá. Mas que já é um cmeço, ah, isso é.

2- BUAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

3- aham, sei… nego que ganhou fama da oposição como blogueiro sujo vai é voar na jugular de Lizinácio – tudo bem que, antes de enfiar os dentes, vai pedir licença. Mas eu tenho certeza de que o debate vai ser firmeza. Até porque esse pessoal conhece bem o governo – talvez por não ter se informado pela Grande Imprensa nos últimos anos – e conhece não só os prós como os contras da obra de Lizinácio.

Além do quê, a entrevista vai ser transmitida por aqui. Mas se Deus quiser e os anjos do WordPress permitirem, dá pra ver aqui embaixo.

http://entrevista.blog.planalto.gov.br/index.php?embed=true

(E aí? Curtiram o cinismo desse “embed = true”? eu não!)

Já deixo aqui as perguntas que eu faria a Lizinácio se lá estivesse:

  • Presidente, foi sua intenção kibar o PSDB ao juntar um bando de programa social tucano no Bolsa Família?
  • Depois de descansar de oito anos de trabalho, qual o seu futuro? Tem algum banco mundial ou Nações unidas em vista?
  • Sr presidente, esses senhores q estão com o sr. têm fama de serem sujos. Conte pra nós se algum deles estiver fedendo, sim? Ou ai a massa ambém é cheirosa?
  • O que o Luiz Inácio de 1989 diria se visse o LInacio de 2010 ligado a Collor, Sarney? O q o Lizinácio de 2010 lhe explicaria?

Enfim, só porque não fui convidada vou fazer um liveblogging da entrevista. Para tanto, convidei a @midiacrucis.

Espero conseguir embedar o box do evento aqui…

Click Here

#lulablogs , galera!

Anúncios

O menino carequinha e os planos infalíveis

Daí vem o Maurício Ricardo e lê meus pensamentos! Amo esse menino! \o/

Se você ainda não entendeu quequetácontecendo neste país, vou tentar explicar de forma que até uma criança entenda.

Ela é a dona da urna bola rua. Sempre vestida de vermelho. Baixinha, briguenta, esquentada, encrenqueira. Mexeu com ela, tomou de volta.

Um de seus convivas não gosta dela. Não aceita o fato de ela ser a dona da urna bola rua. E faz de tudo para tomar o seu lugar. Carequinha, tem uns poucos fios de cabelo na cabeça. Acha-se o ser mais inteligente do mundo. Menospreza a capacidade da amiguinha de pensar, quiçá de existir. Sua vaidade excessiva leva-o a crer que ele é quem tem que ser o dono da rua lua. É, ele não cabe em si de vaidade. Tem que extrapolar todas as suas ânsias de poder. Mas sua amiguinha é unanimidade nacional, por vezes internacional. E aí, comofas?

Aí que o nosso amiguinho carequinha, intelectual que ele só, é um poço de idéias. Ele é capaz de elaborar inúmeros planos infalíveis que irão acabar com a hegemonia da baixinha golducha dentuça. Só que esses planos, invariavelmente, revelam-se verdadeiras idéias de jerico.

Ele executa inúmeros planos infalíveis. Sempre com o auxílio de um coleguinha sujinho, imundo. Que num sabe como executar direito o plano infalível do coleguinha. Na hora de apurar um escândalo, o tal do sujinho num se acerta em arranjar uma reportagem bem apurada. Deixa um monte de buraco na apuração, faltam explicações convincentes, ou, então, o ser em quem ele confiou é um ex-presidiário.

Resultado: a amiguinha esquentada descobre a história e roda seu coelhinho. E, no último quadrinho, o amiguinho carequinha aparece ao lado do amigo sujinho, ambos com um olho roxo. E o plano infalível, vejam [com trocadilho] só, revelou-se, ao final dos quadrinhos, falível.

E aí, descrevi um roteiro básico de uma historinha da Mônica ou resumi o último mês de campanha eleitoral? Decida por si próprio.

(Mas me doeu demais comparar o Cascão com jornalistas inescrupulosos. Pô, o Cascão é sujinho mas é limpinho! E digno, sempre! Aê, Cascão, desculpa! eu adoro você!)

(não acredito que vou escrever isso, Deusdocéu) Salvem os Demos! (continuo sem acreditar no que escrevi)

Meu personal Jorge Bornhausen sempre late pra acabar com a raça dos mendigos e cães de rua. Tem como não amar?

Gente, vamos devagar com a empolgação, vamos?

Primeiro, deixa eu desenhar:

Lá pelos idos de 2005, durante o escândalo do mensalão, o Bento XVI dos demos (acabou de me vir à cabeça essa analogia. Sô malvada? 😉 ) disse que, graças ao quiproquó, estaremos livres dessa raça [petistas /esquerdistas /etcetcetc] pelos próximos 30 anos.Veio 2010 e o candidato deles está afundando mais rápido que o Titanic, mas deixa isso prá lá.

Me lembro muito bem dessa frase porque eu cito ela pro Zé (cuja imagem ilustra este post) toda vez que ele encontra um cachorrinho de rua ou um mendigo. Tirei meu cão vira-lata das ruas e dei a ele casa, comida, um cantinho seco e quentinho pra dormir, veterinário, vacinas, higiene e limpeza… sabe aquela mega-sena hiperacumulada que sai pra um só ganhador? Pois é, o Zé foi o ganhador ao equivalente canino dessa mega-sena acumulada: virou meu bichinho de estimação! \o/

Daí que toda vez que o Zé vê outro cachorro de rua ou mesmo um mendigo, ele fica tão desesperado pra atacar que é uma coisa. Eu o entendo: na verdade, ele está tão bem com o que ganhou de mim que quer garantir que não vai ter que dividir essas benesses com ninguém. Se alguém ameaçar essa hegemonia dele, ele morre de ciúmes.

Nessas horas eu chamo o Zé de Jorge Bornhausen. Passa um mendigo, o Zé late e eu: “Quieto, Jorge Bornhausen! Cê num vai conseguir nunca acabar com essa raça nem em 30 anos nem nunca! Comporte-se!”

Eis que Lizinácio abre a boca e diz que precisamos extirpar o DEM da política brasileira. E galera na Internet resolve levar a sério.

Gente, menos. Bem menos. Quase nada. Vou desenhar:

Lizinácio disse isso daí, mas quis dizer algo do tipo: ” Nhóóóó, Bornhausen, você quis acabar comigo mas não conseguiu! Eu é que tô acabando contigo, e no jogo limpo! quaquaqua! Inveje-me!”

O Bento XVI dos Demos ou entendeu e ficou fulo dazidéia ou não entendeu porque não tem inteligência suficiente para isso. Aposto na primeira opção. Com empate técnico, mas aposto.

Mas isso não significa que a gente tem mais é que rezar para que os Demos não continuem na política brasileira. Gente, eles são sujinhos mas são nossos, ora… representam, sim, uma parcela da população brasileira. Uma parcela lamentável e infeliz, mas que existe, oras! Por que eles haveriam de sumir do cenário político nacional e os petistas/esquerdistas / [insira aqui a sua classificação preferida para referir-se ao time de Lizinácio] não? Ora, a democracia que venta aqui não venta lá, não?!?!?!?!!? Onde diabos a gente vai enfiar o Jair Bolsonaro, gente?!?!?!?!

Tem um episódio de Lazytown (tenham filhos e sejam reféns do Discovery Kids pra entender do que eu estou falando) um gênio da lâmpada oferece à população da cidade a chance de sumir do mapa com o vilão local, o Johnny Rotten. Mas eles escolhem por não sumir com o Johnny. Ele é um chato, mas é o NOSSO chato. Deixa ele aqui porque a gente gosta dele do jeito que ele é, diz um dos moradores.

Tá bom, tem gente que não gosta do DEM do jeito que ele é, mas né?

É algo como nego desejar que o [insira aqui o time de futebol que você mais odeia] caia para a segunda (terceira, quarta, quinta…) divisão. Gente, e como é que fica a nossa alegria de derrotar esse time na nossa divisão? (modo Poliana ligado) Pense assim, e até o PFL fica mais bonitinho aos seus olhos… (/modo Poliana desligado).

(além do quê, o DEM vai ficar dest’amanico em 4/10, liguem não…)

#Workshop de oposição. Aula nº3: por uma oposição atuante

Sério de novo, gente.

Minha preocupação nessas eleições não é com o PT. O partido estelar (uia que chique!) está sabendo administrar direitim a vantagem de estar no governo e os esperneios da oposição. Vão pintar alguns problemas a médio, longo prazo, mas esses problemas o partido pode levar com a barriga por algum tempo.

Minha preocupação é com o PSDB.

Analisemos com carinho e sem preconceito a situação tucana:

Nascidos social-democratas (portanto, com um pezinho na centro-esquerda de quem olha), há uns 20 anos os pobrezinhos se aliaram aos mamadores de teta de governo chafurdadores de lama corruptos direitistas reacionários liberais do então PFL.

Juntos governaram o país por oito anos. Começaram a botar alguma ordem na zona econômica que era esta ex-terra de Cabral, e geral reconheceu isso. Foram reeleitos. No segundo governo, começaram a pisar na bola e geral percebeu (na política, dor de bolso é mais forte que dor de dente, registrem essa pérola de bruxa…). Perderam as eleições de 2002 para a então oposição do PT. E a partir daí só fizeram se perder.

Tentaram voltar ao poder em 2006, com o discurso de que o governo do PT não ia tão bem assim. Geral não acreditou (o bolso não doía, então tava tudo nos trinques). Conseguiram levar a eleição pro segundo turno (vamos abstrair desta análise esta ou aquela acusação de golpismo, manipulação de imprensa etc etc etc) e seu candidato Geraldo Alckmin conseguiu a PROEZA DE, NO SEGUNDO TURNO, TER MENOS VOTOS DO QUE NO PRIMEIRO TURNO.

Se os tucanos começaram a se perder no período 2002-2006, de 2006 até 2010 foi que o caldo desandou de vez. A bússola quebrou, o mapa se rasgou, tucano cegou-se e rodopiou, rodopiou, rodopiou… estão até agora com aquela sensação do mineirinho da piada: num sei quemcossô, oncotô, procovô
E não sabem mesmo! Responda para si mesmo a seguinte pergunta: o que há de social-democrata no Partido da Social Democracia Brasileira? Tá, o nome. Além do nome, o quê? Nada.

O que um partido dito de oposição tem que fazer? Analisar o governo que se segue, pegar o podre e evidenciar. E, em cima desse podre, apresentar propostas viscejantes, límpidas e cristalinas. E, principalmente, voltar a ter sintonia com a maioria da população, né?

Das três tarefas, o PSDB só consegue cumprir mal e mal a primeira. Aponta (ou pensa que aponta) os podres do governo (mas confunde corrupção com fracasso de programa de governo). A esses podres não se seguem propostas novas, e menos ainda eles conseguem restabelecer contato com a maioria da população. OK, essa última tarefa é deveras inglória: como é que você vai convencer geral de que a economia vai mal se nos últimos oito anos geral conseguiu comprar casa, carro, geladeira e eletrodomésticos a rodo e inda tá com mais grana no bolso? Num rola, né?

Mas o mapa e a bússola de dois parágrafos acima estão fazendo falta: nessa perdição dos últimos quatro anos, o PSDB conseguiu se afastar demais de sua identidade ideológica, filosófica e social. E antes que você diga que isso não importa pros partidos brasileiros, eu digo que pode não importar pra ponta final da coisa (o eleitor), mas pra ponta de lá da coisa (os líderes do partido) isso tem que importar, sim. E tem que servir de norte pra eles.

Pois o PSDB que entrou nesta eleição presidencial está sem liderança ativa. Está sem cabeças, está totalmente perdido. Foi levado pela ira de seu discurso para uma direita na qual ele não cabe. Tem que sair de lá, pelo bem de todos e felicidade geral da nação.

Extrema direita é papel do ex-PFL (agora DEMos). E é esse partido quem deve reunir as manifestações dos latifundiários, por exemplo. Latifundiário não combina com social-democracia. Nem aqui nem nos Estados Unidos (ia dizer na China, mas deixa prá lá. A comparação num ia funcionar).
No dia 4 de outubro, se os marcianos não invadirem o World Trade Center ou hecatombe similar ocorra, a situação será a seguinte: Dilma eleita em primeiro turno e governo de São Paulo em segundo turno. Graças a Deus eu não moro mais naquele estado, porque a coisa vai ficar insuportável por lá. O PT relaxado e eleito no Planalto vai jogar ainda mais no ataque do Mercadante, e o PSDB paulistano vai ter que fechar-se numa retranca braba pra não perder o Palácio dos Bandeirantes. Vai ser feia a coisa.

Sinceramente, espero pelo bem do PSDB que os tucanos sejam derrotados em São Paulo. Explico.

Se o PSDB paulista for totalmente derrotado, as fichas do partido cairão totalmente sobre as costas de um mineirim chamado Aécio Neves. Novamente, torço para que, ao contrário do mineirim da piada, Aécio saiba onquitá, quemquié e pronquivai. Porque ele vai carregar o PSDB todinho nas costas.

Caberá ao neto de Tancredo reconduzir o partido aos eixos ideológicos, respirar fundo e controlar sanas raivosas, direitistas e rancorosas, para finalmente transformar o partido numa instituição capaz de exercer seu papel oposicionista com calma, parcimônia, sabedoria e tranquilidade.

Enfim, o Aécio vai ter que jogar a tucanaiada toda num SPA bem legal, daqueles que fazem massagem relaxante, energizante, (não pensem em sacanagem, por favor, imaginem uma perua num spa…) e que todo o relaxamento se conclua com um delicioso ofurô.

Com a calma e a parcimônia restabelecidas, quem sabe os tucanos consigam retomar o papel de oposição racional que lhes é de direito, né?

Porque, como diria o Barão de Itararé, o feio da eleição é se perder...

Resultado da enquete

Pra quem votou nesta enquete, a resposta certa é:

Lizinácio, o apedeuta.

Ó a prova aqui: (não reparem no link, não. é que o Brizola Neto teve a pachorra de copiar a entrevista inteira numa página só. Por isso, optei pela parcialidade da preguiça de clica pra virar a página! 😀 )

Entrevista de Lula a Istoé
Carlos José Marques, Delmo Moreira, Mário Simas Filho e Octávio Costa
Antes de iniciar a conversa com ISTOÉ, o presidente Lula mostrou que estava disposto a dar uma entrevista reveladora. “Vamos combinar o seguinte: podem fazer qualquer pergunta, por mais inconveniente que pareça”, disse ele ao ocupar a cabeceira da comprida mesa de reuniões no seu gabinete improvisado no Centro Cultural Banco do Brasil. “Vamos adotar o seguinte: é probido proibir”, afirmou.
E assim foi. Animado, coloquial e bem-humorado, Lula falou por quase duas horas com a equipe de ISTOÉ, sem recusar nenhum tema proposto. Em dois momentos mostrou um especial estado de espírito. Primeiro um largo sorriso quando recebeu de um assessor, durante a entrevista, os dados da última pesquisa Sensus/Ibope que dava 10% de vantagem à sua candidata Dilma Rousseff sobre o oposicionista José Serra. Pouco depois, o presidente ficaria com o olhos marejados quando falava dos principais legados que julga deixar para o País: “Hoje os pobres sabem que podem chegar lá.”
ISTOÉ – O sr. deixa o Planalto como o presidente mais popular da história do País. Como pensa em administrar esse patrimônio depois de sair do governo?
Luiz Inácio Lula da Silva – O meu medo é tomar uma atitude precipitada sobre o que eu vou fazer. Montar alguma coisa e depois de seis meses descobrir que não era aquilo. Então, eu acho que alguém que deixa o mandato, como vou deixar, numa situação graças a Deus muito confortável, tem que dar um tempo de maturação. Preciso de um tempo, quem sabe quatro, cinco, seis
meses. Tem que deixar a Dilma construir um governo que seja a cara dela, do jeito dela, e eu ficarei no meu canto, curtindo o fato de ser um ex-presidente da República.
ISTOÉ – Isso é possível, presidente?
Lula – O Felipe González (ex-primeiro-ministro da Espanha) contou-me uma história que eu faço questão de repetir. Ex-presidente é que nem aquele vaso chinês que você ganha de presente. Você não sabe onde colocar o ex-presidente. Ele passa a ser incômodo se não se tocar que é um ex-presidente. Essa é a parte mais séria da história. Quero dar um tempo maior. O que eu pretendo fazer? O acúmulo de acertos nas políticas sociais que nós tivemos no Brasil precisa ser socializado. Eu quero socializar essas políticas com os países da América do Sul, do Caribe, com os países africanos. Eu já tenho muitos convites de países africanos para ir lá e mostrar a ideia e o que nós fizemos. Mas é para ir lá com tempo, para ir a campo.
ISTOÉ – O sr. fará as caravanas internacionais, então?
Lula – Eu não sei se serão as caravanas como as que eu fazia aqui no Brasil. Mas pretendo construir uma equipe de companheiros que acumularam oito anos de experiência no governo e 30 anos de experiência enquanto oposição, para que a gente tente colocar em prática, junto aos governantes dos países mais pobres, as condições de eles terem uma política de desenvolvimento social.
ISTOÉ – É preciso ter um cargo para isso, como o de presidente do Banco Mundial?
Lula – Não. É só a vontade política.
ISTOÉ – Mas vários governantes falam de seu nome para ocupar um organismo internacional multilateral. O que o sr. acha disso?
Lula – Tenho companheiros que falam, olha Lula você vai para a ONU. Eu tenho uma ideia diferente. Acho que a ONU é uma instituição que tem que ser dirigida por um burocrata, que tenha a consciência de que ela é subordinada aos presidentes dos países. Porque se você coloca alguém lá, que, por coincidência, tenha mais força que alguns presidentes, haverá, no mínimo, uma anomalia. Você fica com uma instituição criada para servir os países com gente mandando mais. Imagine se a moda pega e os ex-presidentes americanos resolvem ser secretário-geral da ONU.
“Quando Dilma veio para a Casa Civil percebi que eu estava diante de um animal político não trabalhado”

“Devo muito do sucesso do meu governo ao Palocci. Talvez pela qualidade de médico, de não sentir a dor que sente o paciente, ele manejava a economia com a maestria que um economista não teria”

ISTOÉ – Mas o sr. recusaria um convite nessa direção?
Lula – Eu recusaria. Recusaria essa coisa de Banco Mundial. Eu tenho consciência do seguinte: tenho 64 anos e quando deixar a Presidência vou ter 65 anos, logo ainda tenho uma contribuição política para dar ao País. Eu sonho com a construção de uma frente ampla no Brasil. Juntar as forças políticas aqui, construir um programa comum, fazer a reforma partidária, que acho que é uma condição sine qua non para a gente poder mudar em definitivo o Brasil. Temos que fazer a reforma partidária. Isso não é coisa de presidente da República. Isso é coisa dos partidos políticos. E eu, de fora, pretendo ajudar o meu partido a organizar os outros partidos em torno da ideia da reforma política.
ISTOÉ – O projeto de um instituto para irradiar essas ideias também está em curso?
Lula – Também está em conta. Mas agora estou com a minha cabeça voltada para o seguinte: tenho mais cinco meses de governo. Tem muita coisa para acontecer, e sabe do que eu tenho medo? Eu sou muito amante do futebol e o que eu jamais faria como técnico é marcar um gol, correr para a retranca e ficar esperando o adversário vir para cima de mim. Então, tenho muito trabalho pela frente. Quero trabalhar até o dia 31 de dezembro. Tenho agenda até o dia 29 de dezembro, tenho agenda no dia 28 de dezembro, eu quero ter agenda até o último dia de trabalho. No dia que eu entregar a faixa para quem for eleito presidente da República, aí sim…
ISTOÉ – Presidente, pelas pesquisas atuais, há uma grande chance de o sr. entregar a faixa para a ex-ministra Dilma Rousseff. A que o sr. atribui o êxito de Dilma? Foi graças ao empenho do sr.? É o perfil dela?
Lula – Acho que há um conjunto de valores. Primeiro, é preciso ter muita humildade para pedir para o povo votar na Dilma. Um voto é um direito livre e soberano de cada cidadão, mas, como eu passei por aqui oito anos e sei como funciona isso, sinto-me na obrigação de dizer ao povo quem eu entendo que poderia dar continuidade àquilo que nós estamos fazendo. Esta é a primeira coisa com que nós temos que ter todo o cuidado. A segunda coisa é a seguinte: um governo que tem 76% de bom e ótimo nos últimos cinco meses de mandato, um presidente da República que tem 86% de bom e ótimo e se colocar regular vai a 98%, 97% em alguns Estados, é um governo com forte possibilidade de fazer a sucessão. Tem uma aliança política muito forte. Tem muitos candidatos a governador apoiando a ministra Dilma. Ela está muito bem preparada, não tem hoje no Brasil ninguém mais preparado do que a Dilma, do ponto de vista de ter o Brasil na cabeça.
ISTOÉ – Mas o sr. construiu sua candidata do zero, não é, presidente?
Lula – É por isso que nós preparamos o PAC 2. Porque eu poderia deixar para ela preparar em janeiro. Mas o que eu quis na verdade foi, primeiro, definir as obras prioritárias para o Brasil com os governadores e os prefeitos, colocar dinheiro tanto no orçamento quanto na LDO. Então quem começar a governar não vai ter que encher a bola. A bola vai estar cheia e o cara vai começar jogando. Eu acho que a Dilma está extremamente preparada e madura politicamente. Acho que a vantagem da Dilma é que ela não tinha pretensão. Acho que jamais passou pela cabeça da Dilma que ela seria escolhida candidata a presidente da República
ISTOÉ – E na cabeça do sr. qual foi o primeiro momento?
Lula – O primeiro momento que me veio na cabeça foi quando eu, na Favela da Rocinha, no Rio, disse que ela era a mãe do PAC. Ali, na verdade, eu estava começando a preparar.
ISTOÉ – O sr. chegou já chegou lá com a ideia de fazer essa declaração?
Lula – Foi na hora, em função do clima, que eu falei. E foi importante naquele momento.
ISTOÉ – Muita gente pensava que sua candidata seria a Marina Silva, que, pelo histórico, era considerada o Lula de saias. Por que a Marina Silva não foi a sua escolha?
Lula – Quando a gente vai escolher alguém para ser presidente da República, essa pessoa tem que ter um acúmulo de qualidades, e não apenas um pouco de qualidades. A Marina é minha companheira de 30 anos. Vocês jamais ouvirão da minha boca uma palavra ou uma vírgula que possa falar mal da Marina. Um ano antes de deixar o governo, a Marina pediu demissão. Eu não aceitei a demissão dela por conta da Dilma Rousseff. A Dilma e o Gilberto Carvalho me pediram para convencê-la a ficar. Ela ficou mais um ano, até que quis sair. Até hoje não me explicou por que saiu do PT e eu não fui tomar satisfação do motivo por que ela saiu.
“De vez em quando adoto uma máxima do Chico Buarque: tem que ouvir o ministério do que vai dar merda”
“O parlamentarismo não dará certo, como não dará certo uma cooperativa se você criá-la de cima para baixo”
“É muito melhor para o candidato se ele tiver um presidente do qual não tenha vergonha de dizer que é apoiado por ele, como o Al Gore fez com o Bill Clinton”
ISTOÉ – Antes da Dilma, o sr. chegou a pensar em outros nomes? No seu primeiro mandato havia Palocci, José Dirceu…
Lula – Obviamente, se não tivesse acontecido com o PT o que aconteceu em 2005, o quadro político poderia ser outro. Mas a Dilma, então, veio para a Casa Civil. E eu já contei que a Dilma foi escolhida ministra de Minas e Energia por conta de uma reunião que eu estava fazendo em São Paulo, preparando 2002. Quando ela chegou, depois de uma hora de reunião, eu falei: é a minha ministra. Tanto é que o Zé Dirceu já tinha feito acordo com o PMDB para ter o Ministério de Minas e Energia e eu disse: “Desfaça tudo porque eu já tenho a ministra.” E ela foi de uma competência exuberante na construção do marco regulatório do modelo de energia elétrica do Brasil. Quando ela veio para a Casa Civil começamos a trabalhar juntos, a nos reunir cotidianamente, a discutir as reuniões. Aí eu percebi que estava diante de um animal político não trabalhado. De um animal político que foi educado a vida inteira para ser técnica. E eu comecei a falar: bom, agora nós temos que descobrir o lado político de Dilma.
ISTOÉ – E como o sr. fez?
Lula – Fui colocando a Dilma em várias reuniões das quais, teoricamente, ela não precisaria participar. Comecei a levá-la para viajar comigo para que começasse a ver o mundo de uma concepção mais política. Eu acho que hoje ela é uma figura extraordinariamente preparada. Lógico que na política você está sempre se preparando. Às vezes, as pessoas ficam comparando a Dilma comigo. Mas não é possível, porque eu venho de um mundo diferente. Comecei diferente. E tenho um acúmulo diferente.
ISTOÉ – Mas a geração é a mesma…
Lula – É a mesma, mas traçamos caminhos diferentes. Eu acho que o que é importante é que ela é hoje uma mulher sem ressentimentos, sem mágoa. Eu conto sempre o dia em que eu desci com Dilma de helicóptero no Quartel do 2º Exército em São Paulo. Quando o helicóptero parou, ela ficou olhando, olhando e disse: “Foi aqui que eu fui trazida quando fui presa.” E depois me disse: “Engraçado, não estou ressentida.” Descemos lá, fomos tomar café, cumprimentamos todo mundo. Eu achei isso um gesto de superação, o que é importante para alguém governar esse país. Quando chega ao cargo de presidente da República, ninguém tem o direito de ter mágoa, rancor, ressentimento, de dizer eu não gosto de fulano. Não tem esse direito.
ISTOÉ – Um dos ministros mais importantes para o sr. foi o Palocci, que agora está na campanha de Dilma. Como o sr. vê o papel dele num eventual futuro governo Dilma?
Lula – Esse é um problema do futuro governo. Mas eu vou dizer o que penso do Palocci. Acho que no Brasil nós temos, se é que temos, raríssimas pessoas com a inteligência política do Palocci. Digo sempre que eu credito uma parte do sucesso do meu governo aos primeiros dois anos, quando nós tivemos que comer carvão em vez de filé mignon. Quando tivemos que trocar todo o capital político que eu tinha por uma política fiscal dura. Assim, a gente pôde chegar aonde chegou. Possivelmente, se não fosse o Palocci, nós não teríamos feito isso. Talvez pela qualidade de médico, de não sentir a dor que sente o paciente, ele manejava a economia com uma maestria que possivelmente um economista não manejasse. Eu devo muito do sucesso do meu governo ao Palocci. Ele é um animal político que certamente dará contribuições enormes a esse país. Ele é muito jovem e acho que ainda tem muita contribuição para dar.
ISTOÉ – A Dilma não era uma escolha clara do PT, mas o sr. fez valer sua vontade. O sr. acha que ficou maior do que o PT?
Lula – É humanamente impossível fazer qualquer teste de DNA no PT e não me encontrar lá dentro. Da mesma forma é muito difícil fazer um DNA em mim e não encontrar o PT aqui dentro. O fato de eu ter sido presidente me transformou numa figura infinitamente mais projetada do que o PT. Mas isso não significa que eu seja maior do que o PT. É um partido muito organizado no Brasil inteiro, que tem muita força. Agora, acho que nós temos condições de construir uma coisa mais forte. Eu tenho dito a alguns companheiros que não é uma tarefa fácil, mas eu gostaria de criar, dentro de um processo de reforma política, uma frente ampla de partidos que pudesse construir um programa para o Brasil, mais forte do que um partido. Pode ter gente de todos os partidos, pode ter a maioria dos partidos.
ISTOÉ – Isto seria o fim do PT?
Lula – Não. É uma espécie de seleção brasileira. O Corinthians não deixa de ser Corinthians porque o Mano Menezes convocou o Jucilei. E nenhum time deixa de ser porque teve craques convocados. É uma coisa maior para construir um arco de alianças maior.
ISTOÉ – Esse grupo poderia ter o PSDB?
Lula – Eu acho que acabou o tempo da ilusão em que a gente poderia trabalhar junto com o PSDB. Eu acreditei nisso. E muita gente do PT acreditou nisso.
ISTOÉ – O sr. acha que o PSDB foi para a direita?
Lula – Acho que eles escolheram outro projeto. Vocês estão lembrados que, logo que o Fernando Henrique Cardoso assumiu a Presidência, ele juntou gente que na época se comportava como de esquerda, como o PPS. Aquelas pessoas achavam que iriam ter uma participação no governo. Qual foi o problema? Foi a reeleição, que conduziu para uma relação promíscua com o Congresso Nacional e a coisa desandou um pouco. Essas coisas são muito fáceis de falar, mas é muito difícil fazer, porque para construir uma frente ampla é preciso construir uma direção partidária, que as pessoas respeitem, que vejam nela uma liderança. De qualquer forma, como vou ter tempo, essa questão política vai voltar com muita força na minha cabeça. Acho que nós temos que fazer um reforma para moralizar a política no Brasil, fortalecer os partidos políticos, para moralizar a fidelidade partidária, para parar com esse negócio de judicializar a política como ela está judicializada. Isso se faz com o debate político. E eu quero estar vivo no debate político.
“Tem rico que vem aqui, te pede um bilhão de reais e sai falando mal de você. O pobre te pede dez reais e fica agradecido pelo resto da vida”
“O que leva um homem a ter preconceito contra um ser humano que o carregou na barriga nove meses? Que o limpou enquanto ele não sabia se limpar? Vamos ser francos: o nosso caráter é o da nossa mãe”

ISTOÉ – Como sua imagem, que nem os adversários atacam nesta campanha, pode ser usada sem ofuscar a candidata? Qual é a dosagem certa?
Lula – Fico feliz em saber que ninguém quer fazer campanha falando mal de mim. É uma coisa boa, é agradável. Mas eu tenho um lado, um partido e um candidato. E isso eu faço questão de deixar público durante o processo eleitoral. Uma coisa a gente tem que compreender: eu cito muito futebol porque futebol é a coisa mais fácil do povo entender. Não existe a possibilidade de o Lula ofuscar a grandeza da candidata, porque vai chegando o momento em que o clima na sociedade, na imprensa, no debate, é da candidata, não é do presidente. A sociedade vai percebendo isso. É muito melhor para a candidata se ela tiver um presidente que ela não tenha que ter vergonha de dizer que é apoiada por ele, como o Al Gore fez com o Bill Clinton.
ISTOÉ – O PT não terá mais influência num governo de Dilma do que teve no seu?
Lula – Quem fala isso não conhece a Dilma. Ela é uma mulher de personalidade muito forte. O PT está na direção da campanha da Dilma, como estava na direção da minha.
ISTOÉ – Mesmo o relacionamento do sr. com o PT foi mudando…
Lula – A minha relação com o PT era diferente porque eu fui o criador do PT. Fui 13 anos presidente do PT. A minha relação com o partido sempre foi diferente da relação da Dilma, que é uma filiada. A direção do PT hoje está totalmente afinada com a candidata e a candidata totalmente afinada com a direção.
ISTOÉ – E aquele episódio do programa de governo diferente, apresentado pelo PT?
Lula – Vocês não podem errar e confundir uma tese com o programa. Quando se constrói um programa suprapartidário, cada partido constrói uma palavra, uma vírgula. Enquanto não há operação definitiva que diga “está pronto o programa”, não é programa, é pré-programa. E no pré-programa entra qualquer coisa. O programa não é do PT nem pode ser. O programa tem que ser uma síntese do pensamento dos partidos que compõem a base de apoio da ministra Dilma. É com isso que ela vai governar o País. E ela e o partido têm clareza disso.
ISTOÉ – O sr. acha que ela conseguirá ter ascendência política sobre o partido?
Lula – Vai ter. Deus queira que ela não tenha muita ascendência, porque não é importante que a candidata passe a ser muito mais forte, porque pode querer desrespeitar o partido. Eu quero que ela passe a ter uma relação com o partido de liderança, de respeito, que não tenham medo dela. Eu quero que os dois se respeitem. Se os dois se respeitarem, eles vão divergir, vão brigar, mas vão construir o melhor.
ISTOÉ – Como o sr. vê a relação com o PMDB, tradicionalmente fisiológico, que exige ministérios e muitos cargos no governo?
Lula – Eu não acho que seja assim. Nós temos que levar em conta que o PMDB é um partido forte. E que continuará sendo. É um partido que tem muitos vereadores, muitos prefeitos, muitos deputados, muitos senadores. Sempre, qualquer que seja o governo, de ultraesquerda ou de ultradireita, será preciso trabalhar com o PMDB. Quando nós fizemos a Constituição de 1988, esse foi um equívoco. Nós construímos uma carta parlamentarista. Fizemos um plebiscito e o parlamentarismo tomou uma trolha de 80%. Só para vocês saberem, a direção do PT, da qual eu fazia parte, era parlamentarista. Mas eu ia para o debate e o pessoal falava assim para mim: “Ô Lula! Você é tonto, rapaz! Agora que está chegando a hora de a gente chegar ao poder você quer transferir poder para o Congresso te eleger? Não vão te eleger nunca.” Nós perdemos internamente no PT. A direção tomou uma surra. Acho que mais de 70% ficaram contra a direção.
ISTOÉ – O sr. continua parlamentarista?
Lula – Eu acho que tudo está ligado à evolução cultural da sociedade. O parlamentarismo não dará certo, como não dará certo uma cooperativa, se você criá-lo de cima para baixo. Eu, por exemplo, trabalhava com a ideia de que era favorável ao voto distrital. Como eu imaginei organizar o PT por núcleos, em cada rua, em cada vila, pensava numa organização tão forte que não haveria dinheiro no mundo capaz de ganhar uma eleição de você. Eu sonhava isso. Você teria como candidatos as grande personalidades e as lideranças sociais. Mas muita gente no PT não acreditava nisso. Defendiam que tem que se pedir voto para todo mundo. Mas essa história favorece quem? Quem tem dinheiro. Eu conheci deputado que pegava helicóptero e viajava para o interior para passar a tarde carregando gente. Parava em campo de futebol, colocava o sujeito dentro do helicóptero e dava uma volta. Ganhava o voto do tadinho que nunca andou de helicóptero. Mas também esse processo de mudança não pode ser um estupro. Ter a maioria e empurrar na garganta da minoria, não. O problema é que não há muito debate.
ISTOÉ – O sr. espera que sua ideia de frente ampla mude o modo de fazer política no País?
Lula – Eu quero ter esse papel aqui dentro. Também tenho discutido muito em nível internacional. Muita gente já conversou comigo para que eu tivesse um papel na Internacional Socialista. Mas acho que a Internacional Socialista tem a cara da Europa, não tem a cara da América Latina. Eu seria um estranho no ninho. Mas eu quero também contribuir para que a gente discuta um pouco uma organização política aqui na América Latina.
“Hoje agradeço por todos os santos o segundo turno com o Alckmin, porque eu pude lavar a minha alma”
“Quando você tem um político cretino, ele não quer que seu aliado ganhe, mas, sim, que o adversário ganhe”
“Eu quero estar vivo no debate político”
ISTOÉ – Nos mesmos termos?
Lula – Eu não sei ainda. Mudou a cara política da América Latina, mas os partidos continuam os mesmos. As forças são as mesmas. A gente não evoluiu na organização internacional. O que é o partido do Chávez? Ou os partidos políticos na Argentina? Lá tem um monte de partidos políticos, mas todos são peronistas. O Uruguai tem o partido mais organizadinho, com a Frente Ampla. No Paraguai, o presidente foi eleito por fora dos dois maiores partidos. É juntar essa coisa toda e começar a elaborar possivelmente uma nova doutrina da criação de uma instituição política que pense em uniformizar determinados princípios na América Latina. Sem o dogmatismo do manifesto, que não venha com aquele negócio da terceira, quarta internacional, não quero mais saber disso.
ISTOÉ – Há um temor no meio empresarial de um futuro governo da Dilma ser mais estatizante que o seu.
Lula – Não há essa hipótese. Eu conheço bem a Dilma e sei o que ela pensa. Obviamente que nós não queremos ser estatizantes, mas também não vamos carregar a pecha que nos imputaram nos anos 80, quando se dizia que o Estado não valia nada e que o mercado era o Deus todo-poderoso. Essa crise americana mostrou que o mercado é frágil, é corrupto e que quem tinha o Estado mais forte salvou-se primeiro. No caso do Brasil, se não tivéssemos o Banco do Brasil, como é que a gente iria comprar a carteira de financiamento de carro usado do Votorantim? Eu cheguei para o Banco do Brasil e para o companheiro Guido Mantega (ministro da Fazenda) e disse: “Companheiros, nós não podemos deixar quebrar as finanças de carro usado, porque se não vender carro usado não tem compra de carro novo.” Eu perguntei para o Dida (presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine): “Como o Banco do Brasil está? Pode financiar carro usado?” “Ah! Nós não temos expertise, presidente.” Eu perguntei, o que a gente faz então? “A gente tem que formar.” Que formar, o quê! Não temos tempo de formar, a crise está aqui, batendo à porta. Vamos comprar de quem tem. O Votorantim tem, quer vender? Então compramos 50% da expertise do Votorantim. Acabou o problema. O Serra queria vender a Caixa Econômica Estadual. Começaram a falar para mim: “Você não pode comprar, porque o Serra é candidato, é adversário, o Serra vai juntar muito dinheiro para a campanha.” Eu disse: vocês são doidos! Acham que, por causa da campanha do Serra, vou deixar de comprar um banco que permitirá que o Banco do Brasil volte a ser o maior do País? Quem vai fiscalizar o dinheiro do Serra é a Justiça Eleitoral, não serei eu. Nós vamos comprar. E compramos.
“Acabou o tempo da ilusão de que a gente poderia trabalhar junto com o PSDB”
“O fato de eu ter sido presidente me transformou numa figura infinitamente mais projetada do que o PT. Mas isso não significa que eu seja maior que o PT”
“Quem chega ao cargo de presidente não tem o direito de ter mágoa, rancor, de dizer que não gosta de fulano”
ISTOÉ – O sr. considera que estes foram dois grandes momentos no enfrentamento da crise?
Lula – Quando a gente chega aqui é menos teoria e mais prática. Quando a gente está na oposição, está discutindo. Você fica numa mesa de bar conversando e diz: eu penso isso, eu penso aquilo. Quando senta naquela cadeira de presidente, você não acha, você não pensa, você não acredita. Você faz ou não faz. E tem que tomar decisão na hora. Não tem que se preocupar com a repercussão. Eu, de vez em quando, adoto uma máxima do Chico Buarque: tem que ouvir o ministério do que vai dar merda. Aprendi antes de tomar a decisão a chamar outras pessoas para perguntar: isso aqui vai dar merda ou não? Governar é uma coisa engraçada. Uma vez o Gilberto Gil propôs a criação da Ancinave. Era uma proposta. De repente a gente estava tomando porrada de todos os lados. Eu reuni numa mesa todos os ministros envolvidos naquilo: Justiça, Fazenda, Indústria e Comércio, Cultura, Secom e mais uns três ou quatro. Disse que nós estávamos apanhando muito na imprensa e que eu precisava saber se todos nós estávamos de acordo com a proposta na mesa. Foi fantástico. Nenhum ministro concordava com a proposta. Porque era uma proposta para debate e surgiu como se fosse uma proposta acabada do governo. Então eu falei: “Alguém tem que comunicar à imprensa que está retirada a proposta. Se ninguém defende a proposta, por que vai continuar?” No governo ou você toma a decisão rapidamente ou é engolido rapidamente.
ISTOÉ – O Brasil, apesar dos preconceitos machistas, está pronto para ser presidido por uma mulher?
Lula – O preconceito é uma coisa cultural muito forte no mundo e no Brasil. Mas a ascensão das mulheres nos últimos 20 anos é uma coisa extraordinária. Fui num debate com empresários no Paraná na sexta-feira passada e eu dizia a eles: o que leva um homem a ter preconceito contra um ser humano que o carregou na barriga nove meses? Que o limpou enquanto ele não sabia se limpar? Que o ensinou a comer quando ele não sabia comer? Que formou o seu caráter e que continuou cuidando dele até ele se casar? E só parou quando a sogra começou a se invocar? Qual é a razão que a gente tem para não acreditar num ser que fez a gente? Vamos ser francos: o nosso caráter é o da nossa mãe. A gente pode adorar o pai da gente, mas na hora, que a gente caiu quem estava do nosso lado era nossa mãe. Na hora que a gente tinha dor de barriga quem estava conosco era nossa mãe. Na hora que a gente acordava de noite chorando quem estava do nosso lado era nossa mãe. Quem levantava para trocar nossa fralda de noite era nossa mãe. Quem colocava mamadeira na nossa boca de manhã era nossa mãe. Quem dava o peito para a gente machucar era nossa mãe. Por que nós temos preconceito contra essa figura tão nobre? Eu tenho dito para a Dilma que ela tem que dizer: “Eu não vou governar o Brasil. Eu vou cuidar do povo brasileiro.” Porque a palavra correta é cuidar. E cuidar da parte mais pobre. Tem rico que vem aqui, te pede um bilhão de reais e sai falando mal de você. O pobre te pede dez reais e fica agradecido pelo resto da vida. Então, nós temos que cuidar do povo. Esse país não pode continuar com o povo esquecido. Eu acho que nós vamos vencer o preconceito.
ISTOÉ – Acha que foram superados preconceitos que havia contra o sr.?
Lula – Eu fui vítima de muito preconceito. Nas primeiras eleições que perdi, eu perdi porque o pobre não confiava em mim. E eu não tinha mágoa do pobre por isso. Mas ele me via e dizia: se esse cara é igual a mim, por que eu vou votar nele? Era isso que levava o pobre a desconfiar de mim. Eu precisei perder três eleições, amadureci muito, e a sociedade foi amadurecendo até compreender que poderia votar em mim. Hoje, eu acho que o grande legado que vai ficar da minha passagem pela Presidência são os pobres desse país estarem acreditando que eles podem chegar lá. É isso que eu quero fazer com a mulher. A mulher não é apenas a maioria numérica. Em muitas funções, a mulher é igual ou mais competente do que os homens. Todos vocês são casados e suas mulheres são mais corajosas do que vocês. E a minha também. As nossas mulheres têm coragem de fazer brigas que nós não fazemos. Às vezes, o vizinho enche o saco e nós dizemos que vamos conversar. E a mulher diz: “Não tem essa não.” Ela abre a porta e vai lá. Eu acho isso uma coisa estupenda. A coragem da Marisa para tomar decisão é infinitamente maior do que a minha. Com ela, eu tenho que contemporizar. Não, não vamos brigar agora. E ela diz que tem que resolver já, não tem meio-termo. E eu acho que toda mulher é assim.
ISTOÉ – Como o sr. vê José Serra como adversário de Dilma?
Lula – Para mim, essa é uma eleição engraçada. Três candidatos de oposição foram do meu partido: Marina Silva, do PV, José Maria, do PSTU e Plínio de Arruda Sampaio, do PSOL. E o Serra é uma pessoa com quem eu tenho uma relação de respeito muito antiga. Quando vejo eles debatendo, não tenho nenhum inimigo. Tenho alguns adversários disputando com a minha candidata. E eu acho que o Serra deu azar. Deu azar de disputar comigo quando eu não podia perder. Digo do fundo da alma, eu nunca tive a menor preocupação de que não ganharia aquela eleição de 2002. Eu estava convencido de que era a minha vez, que tinha chegado a hora. Eu tinha participado da candidatura do (Franco) Montoro e sabia como era isto. Em 1982, não adiantava nada, aquela era a hora do Montoro ser governador. Podia falar o que quisesse. Que ele tinha 20, 80 aposentadorias. Era a hora dele. E foi. Em 2002, eu sabia que era a minha hora. Eu lembro que quando não ganhei no primeiro turno, cheguei no gabinete à noite e havia uns 100 delegados da América Latina, todo mundo lá triste. Estavam lá o Zé Dirceu e o Duda Mendonça na frente da telinha medindo voto, dizendo que ia dar por meio ponto. E eu disse: “Gente, deixa para lá. Tanto faz primeiro ou segundo turno.Vai apenas demorar um pouco mais. E vai ter uma diferença bem maior depois.” E foi uma coisa extraordinária porque o segundo turno permite que você tenha um embate direto. Eu hoje agradeço por todos os santos o segundo turno com o Alckmin, porque eu pude lavar a minha alma. Eu pude aumentar a minha votação em 12 milhões de votos. E ele perdeu três milhões de votos, uma coisa inédita.
ISTOÉ – E qual é exatamente o azar do Serra, presidente?
Lula – Ele foi candidato num ano em que eu não tinha como perder as eleições. E ele agora é candidato num ano em que a Dilma tem todas as condições de ganhar as eleições porque o governo está muito bem e porque as coisas vão melhorar.
ISTOÉ – O sr. acredita em decisão já no primeiro turno?
Lula – Eu acredito no processo eleitoral. Para mim, não importa que seja no primeiro ou no segundo turno. Nós temos é que ganhar as eleições. Temos que trabalhar para ganhar as eleições. E eu acho que é uma eleição que pode terminar no primeiro turno. Mas se for para o segundo turno não existe nenhum problema, nenhum trauma. Nós vamos fazer uma bela campanha.
ISTOÉ – Fala-se muito que há uma grande possibilidade de, em 2014, o presidente eleito agora ter o sr. pela frente. Como está desenhada essa possibilidade?
Lula – Vamos colocar a política no seu devido lugar. Quando você tem um político cretino, ele não quer que o seu aliado ganhe, mas, sim, o adversário para ele voltar quatro anos depois. No meu caso, eu lancei a Dilma candidata porque eu quero que ela ganhe. E porque eu quero que ela faça um governo melhor do que o meu. E que ela tenha direito a ser candidata à reeleição. É um direito legítimo dela. Não tem essa de que a Dilma vai ser candidata para o Lula voltar em 2014. Não existe essa hipótese. Se a Dilma for eleita ela vai fazer um governo extraordinário e vai ser candidata à reeleição. Se o candidato for um adversário, a história muda de figura. Mas, aí, eu preciso estar bem, porque eu já vou estar com 69 anos. E com 69 anos você parece novo, mas não é tão novo, não. Eu, às vezes, acho que na política deveria ser que nem na Igreja Católica, onde o bispo se aposenta com 75 anos.
ISTOÉ – A mais ousada ação do seu governo na política externa nos últimos tempos foi a intermediação da questão atômica com o Irã. O que faltou para o êxito da negociação?
Lula – É o tipo da coisa que somente o tempo vai se encarregar de mostrar o que aconteceu. Eu não tinha nenhuma relação de amizade com o (Mahmoud) Ahmadinejad. Conheci o Ahmadinejad numa reunião da ONU antes da minha ida a Pittsburgh para discutir o G-20. Tive uma conversa com ele. Discutimos duas horas e a primeira coisa que comecei a discutir era a respeito do Holocausto. Se era verdade ou não que ele não acreditava no Holocausto. E ele disse: “Não foi bem isso que eu quis dizer.” Se não foi bem isso que você quis dizer, então, diga. Porque em política todas as vezes que a gente começa a se explicar muito é porque a gente cometeu um erro. Ele disse: “É porque morreram 67 milhões de seres humanos na Segunda Guerra e parece que só morreram os judeus. Os judeus se fazem de vítimas.” Eu falei que se era isso que ele, Ahmadinejad, queria dizer então dissesse. Morreram 67 milhões de pessoas na Segunda Guerra, mas os judeus não morreram em guerra. Eles foram assassinados a sangue-frio, crianças, mulheres, em câmaras de gás, é diferente. Senti que tinha uma possibilidade de conversa. Ele pessoalmente é muito mais afável do que na televisão.
ISTOÉ – Como o sr. encaminhou a questão?
Lula – Eu cheguei na ONU, cheguei em Pittsburgh, tinham dado uma entrevista o Sarkozy (presidente da França, Nicolas Sarkozy), Gordon Brown (então primeiro-ministro britânico) e Barack Obama (presidente dos EUA) criticando Ahmadinejad. Fui no Obama e falei: “Companheiro, você já conversou com o Ahmadinejad alguma vez? Não. Você se dignou a pegar o telefone, ligar para ele e dizer: eu quero conversar com você? Não”. A mesma conversa eu tive com o Sarkozy, com o Gordon Brown e com a Angela Merkel (chanceler alemã). Ora, vocês nunca conversaram com o Ahmadinejad e estão dizendo que ele não quer sentar à mesa para negociar essa questão da paz. Então eu quero dizer para vocês o seguinte: eu acredito que ele quer sentar e eu estou convidando ele para ir ao Brasil, estou convidando o primeiro-ministro de Israel, estou convidando o Shimon Peres, estou convidando o presidente da Síria para ir ao Brasil. Separadamente, cada um na sua data. Ahmadinejad veio aqui. Nós conversamos mais de duas horas. Eu disse que, se fosse possível a gente avançar, eu mandaria o Celso Amorim ir muitas vezes lá. Como a Turquia também estava tentando, então o Celso Amorim e o ministro das Relações Exteriores da Turquia começaram a conversar com o primeiro-ministro do Irã, preparando a nossa ida lá. Em Copenhague, quase que eu consigo marcar um jantar entre Sarkozy e Ahmadinejad. Mas, como a rainha da Dinamarca não convidou o Ahmadinejad para o jantar, não deu. Chegou o dia de eu ir ao Irã e eu falei para o Celso que era preciso dizer para o Ahmadinejad que eu não poderia fazer uma viagem inútil.
“Não haverá solução no Oriente Médio enquanto os americanos acharem que eles são os responsáveis pela construção da paz”
“Obama achou que eu e a Turquia estávamos sonhando acreditando no Ahmadinejad, que ele iria enganar a gente. Eu disse o seguinte: ‘Nasci político, meu filho’”
ISTOÉ – O sr. também havia recebido um pedido de Sarkozy para encaminhar ao Ahmadinejad.
Lula – Sarkozy tinha falado conosco da moça que estava presa, se poderia ter um gesto de liberar. Eu conversei com Ahmadinejad e ele se comprometeu a liberar, tanto é que eu cheguei à meia-noite lá e às cinco horas da manhã ele liberou. Duas semanas antes de eu viajar, recebo uma carta do Obama. E a carta do Obama tinha um viés. Primeiro tratando de uma forma carinhosa, se desculpando da grosseria dele quando nós fomos discutir o assunto nuclear lá. Ele achou que eu e a Turquia estávamos sonhando, acreditando no Ahmadinejad, que ele iria enganar a gente, não iria cumprir nada. Eu disse o seguinte: “Eu nasci político, meu filho. Toda a minha vida, desde 1969, foi negociar. Perdi muita coisa, ganhei muita coisa, mas negociar é a arte maior de fazer política. Então eu vou lá porque eu acredito.” Tanto é que quando eu cheguei na Rússia, na viagem para o Irã, Dmitri Medvedev (presidente russo) me disse: “Obama me ligou dizendo que ele acha que você vai ser enganado pelo Ahmadinejad.” Um jornalista perguntou: “Escuta aqui, de zero a seis, qual é o grau de otimismo que você tem para fazer a negociação?” O Medvedev falou 30%. Eu disse: Porra! Que otimismo pessimista! Eu falei 99,9%. Cheguei ao Qatar, o Obama tinha ligado para o emir dizendo que vão enganar o Lula. Cheguei ao Irã, conversamos, conversamos, conversamos. Fui conversar com o líder supremo, Khamenei. Duas horas de conversa. Depois fui conversar com o Ali Larijani (presidente do Parlamento) e com todos falei da importância, que eles não poderiam arriscar o bloqueio.
ISTOÉ – Por que, presidente?
Lula – Porque o bloqueio começa sem dor, mas daqui a pouco começa a faltar remédio, começa a faltar comida. E quem paga o preço são as crianças. Contei que Cuba viveu 50 anos, que a Líbia viveu 13 anos com bloqueio. Eu conversei tudo o que poderia conversar com eles. O Celso Amorim teve um papel extraordinário com os ministros. Chegou no outro dia às 9h da noite e nós fomos jantar. O Celso não estava no jantar e estava o ministro deles. Azedou, pensei. Esse aqui (o ministro Franklin Martins) estava muito pessimista. Na hora que eu saí do hotel, ele falou: “não vai dar nada”. E eu: “Calma, rapaz, tem que ter fé. A fé que move montanhas.” Eu cheguei lá, estava o ministro deles, mas não estava o Celso. Pensei que tinha azedado mesmo. Então disse para o Ahmadinejad: amanhã eu vou embora, sabe que para eu vir aqui eu larguei a minha mulher e os meus filhos, tenho tarefa pra caramba no Brasil. Vim aqui porque eu quero para você o que eu quero para mim. Eu quero que o Irã desenvolva o enriquecimento de urânio para fins pacíficos, para produzir coisas para a indústria farmacêutica, para produzir coisas para a energia nuclear e no meu país isso está na Constituição. E eu não quero que, por equívoco, o mundo rico, que tem bomba nuclear, te impeça de fazer isso. Então, na verdade eu vim aqui para dar as minhas costas para repartir as chibatadas que você está tomando e não gostaria de ir embora sem assinar esse acordo. Se eu for embora sem assinar esse acordo, eu vou ter que começar a fazer discurso dizendo que você não quer negociar mesmo.
ISTOÉ – Depois disso ele resolveu assinar?
Lula – Ele disse: Vamos conversar amanhã de manhã? O ministro dele estava comigo e ia encontrar o Celso ainda. O ministro dele disse assim para mim: “Presidente, falta só um ponto, eu vou encontrar com o Celso agora.” Quando foi meia-noite, eu cheguei ao hotel e o Celso me liga: “Presidente, fechamos.” Nós fomos para acertar o acordo. Tinha físico para dar palpite, como vocês nem imaginam. Os caras não queriam assumir compromisso com data. Eu disse que sem data nós não concordávamos. Eu falei: “Ahmadinejad, vocês sabem o que falam de você. Lá fora na Europa, nos Estados Unidos, falam que você não cumpre palavra, você sabe disso. Por isso é importante colocar a data dizendo que tal dia você vai mandar tal coisa”. Ele topou. Qual foi a minha surpresa, companheiros? É que o pessoal que estava há não sei quantos anos tentando conversar com o Ahmadinejad e nunca conversou, porque nunca tentou, ficou com ciúmes. Por isso a reação. Na minha opinião, essa é a única explicação para a ciumeira do Conselho de Segurança da ONU. Nós ainda mandamos para o grupo de Viena, com Rússia, Estados Unidos e França, a carta no domingo, e ainda assim eles tentaram barrar. Eu acho que a história vai mostrar o equívoco dos companheiros que resolveram trocar as conversas pelas sanções, porque demonstraram apenas ciúmes. Em minha opinião, uma atitude pequena. O problema é o seguinte: se a ONU continuar fraca do jeito que está, vai prevalecer o unilateralismo, a posição unilateral dos americanos vai continuar prevalecendo. Quando nós propusemos fortalecer a ONU, não queríamos só a entrada do Brasil. Mas a entrada do Brasil, da Índia, da Alemanha, de dois ou três países africanos.
ISTOÉ – Mas uma luta histórica do Brasil é pelo assento definitivo no Conselho de Segurança da ONU.
Lula – É para que tenha mais representatividade. Imagine o continente africano com 53 países que não tem ninguém. E quantos têm os europeus? E agora tem mais a Alemanha, convidada especial. O Conselho de Segurança da ONU não pode ser um clube de amigos, não pode ser tratado assim. Aquilo tem que ser uma instituição multilateral para resolver problema de conflitos. Em minha opinião, no Oriente Médio não haverá solução enquanto os americanos acharem que são eles os responsáveis pela construção da paz. Se a ONU fosse forte, resolveria o problema do Oriente Médio. Iria lá, demarcaria a terra dos palestinos, demarcaria a terra de Israel e faria cumprir, como fez em 1948, quando criou o Estado de Israel. Como ela é fraca, fica só lá, um dia vai um e ganha o Prêmio Nobel, outro dia vai outro e ganha o Prêmio Nobel, não faz nada, outro dia vai outro e outro prêmio. Então, eu acho que é uma estupidez política não reformar o Conselho de Segurança da ONU.

Atualização: Dilma e Serra no Jornal Nacional ou por que quero esganar o Bonner

Olha, não posso (por enquanto) falar uma vírgula contra a entrevista que a Dilma deu ao Jornal Nacional. Bonner e Fátima não fizeram uma pergunta que eu não faria à candidata. Os dois expuseram os principais (três) pontos fracos da candidatura da Dilma: alianças espúrias, inexperiência política e gênio difícil da candidata.

ATUALIZAÇÃO DA QUARTA-FEIRA: PROZINFERNO!!! A COMADRICE FOI TANTA QUE ATÉ SERRISTAS DE CARTEIRINHA RECONHECERAM QUE O CASAL TELEJORNAL FAICOLITOU A VIDA DO SERRA!!!

É obrigação da Dilma tirar essas perguntas de letra e responder com tranquilidade. Mas ela não esteve tão tranquila assim. Ainda tá muito nervosa diante das câmeras – aspecto negativo que está contido no item inexperiência política.

ATUALIZAÇÃO DA QUARTA-FEIRA: E, COM UMA ENTREVISTA ENTRE COMADRES, AS PERGUNTAS FORAM AMENAS E O BOCOIÓ DO SERRA NEM SE DEU AO TRABALHO DE RESPONDER DIREITO A NADA QUE PERGUNTARMA A ELE!

Ainda que o tio Bonner tenha se exaltado um pouquinho nas perguntas – a ponto de levar um chega prá lá da patroa – os dois foram muito bem na condução da entrevista. Apertaram legal a entrevistada, colocaram-na contra a parede. Ela ora gaguejou, ora se esquivou, ora respondeu o que quis responder. Típico.

ATUALIZAÇÃO DA QUARTA-FEIRA: EU QUERIA UFC, MAS O QUE SE VIU FOI UM JOGUINHO DE VÔLEI: BONNER E FÁTIMA LEVANTAVAM E O SERRA CORTAVA.

Enfim , tá tudo muito bom, tá tudo muito bem. Mas eu quero ver mesmo é se este tom inquisitivo vai perdurar até quarta-feira, quando o Serra vai se sentar ao lado da Fátima para a entrevista.

ATUALIZAÇÃO DA QUARTA-FEIRA: O QUE NÃO FALTOU AO BONNER FOI OPORTUNIDADE DE SER MAIS INQUISITIVO COM O SERRA, NEM NA PERGUNTA SOBRE O PEDÁGIO DE SÃO PAULO, NEM NA HORA DAS ALIANÇAS COM O PTB.

Quero ver essa paulada igualzinha contra o Serra. Até porque, se o bonner se portar com o Serra da mesma forma que se portou com a Dilma, se o Serra virar pra ele e disse que ele (Bonner) não está bem informado, vai rolar sangue. E eu, que já morro de amores pelo Bonner, vou gamar de vez… [suspiro]

Precisa falar mais alguma coisa?

Ó, malzaê, mas como vocês podem perceber, mimputeci. Pronto, falei.

E, por favor, bipolar é o Bonner. (Ou não.) Eu não.

Entre o bem e o mal, adivinha quem se ferra?

Tava guardando essa idéia pra fgazer um post mais tarde, mas como comecei a discutir isso com o Léo Jaime agora, no Twitter, deixa eu escrivinhar aqui porque azidéia tá tudo fervilhando.

Juro por Deus que no dia em que o Lula foi eleito pela primeira vez, me lembro de ter visto o Alexandre Garcia comemorando a chegada do PT ao poder e prevendo que, daquele momento em diante, Pt e PSDB se alternariam no poder.

Oito anos depois, vejo que vai ser muito difícil isso acontecer. Primeiro porque o PSDB que existia não há 8, mas há 16 anos, foi destruído. Talvez pela realidade e pelo dia-a-dia do poder, talvez pela aliança com os liberais do então PFL, talvez pelo fato de não ter sido capaz de gerenciar tamanha quantidade de ególatras em seus quadros.

Se PSDB eu fosse neste momento, eu reuniria todos os cacicões do partido e traçaria uma série de estratégias e diretrizes a serem tomadas pelo partido para voltar ao poder. Pra começar, um estudo sério e detalhado sobre qual o candidato mais indicado a ser lançado aos leões candidato a presidente.

Definido o quadro tucano com mais chances de vitória, traçaria um plano de governo sério, a ser apresentado. Um plano que reconhecesse tudo de bom que já foi feito pelo PT, identificasse os buracos da gestão petista (porque eles existem, e são muitos) e trabalharia meu plano de governo exatamente aí nesses buracos.

Reconheceria elegantemente todas as vitórias e conquistas do PT, e diria por que o PSDB é a melhor opção agora. Seria elegante com a candidata, com o partido e, principalmente, com o país. Ah, sim: substantivos abstratos seriam proibidos em meu discurso.

Tudo seria trabalhado de forma fria, técnica, organizada, madura e respeitosa.

O PSDB está se lançando aos leões sem planejamento, sem idéias e sem diretrizes. Está desfazendo da Dilma (A candidata do PT é despreparada; a candidata do PT é um poste; a candidata do PT é burra. Engraçado que eles não falam por que são melhores que ela, porque se ela é tudo isso e lidera as pesquisas, o que se dirá deles, que são os preteridos na disputa?), está desfazendo do PT, seu principal antagonista no cenário atual da política nacional e, principalmente, está desfazendo de oito anos de crescimento econômico.

Quer dizer: falta ao PSDB maturidade para se portar no poder e fora dele.

Mas não comemorem a frase acima, petistas, porque essa mesma maturidade também falta ao PT. Lizinácio e companhia reconhecem o tamanho e o peso do PSDB, mas sua soberba também os faz acreditar que PSDB no poder = fim do mundo.

É ridículo ver essa discussão “nós somos o bem, eles são o mal”. PSDB seu lado do Bem (não confundir com o Dem 😉 ) e do Mal; e o PT a mesma coisa.

Quem lucraria com esse respeito mútuo entre PT e PSDB? hummm… sei não, acho que alguém sem importância… tipos… o país, né?